Páginas

domingo, 25 de outubro de 2009

O CASAMENTO JUDAICO (João 14.1-3)


Não se sabe exatamente quando o homem começou a casar, mas esta prática vem sendo comum e muito valorizada a mais ou menos 3 mil anos.

A duração das festas Judaicas eram de 7 dias; Os convidados chegavam a cada dia e alguns permanecia por vários dias.


O Noivado

1° - O noivado ou estabelecimento do acordo de casamento: para isso o rapaz deixava a sua casa e viajava até a casa da noiva escolhida, lá o jovem pedia a mão da filha ao pai, se houvesse consentimento, era estabelecido o dote a ser pago pela noiva (costume que existe até hoje entre alguns povos orientais) - Ef.5.23-32

2° - Tão logo o noivo pagasse o dote, o casamento estava juridicamente selado, então os noivos bebiam juntos um cálice de vinho, simbolizando o estabelecimento do acordo. A partir deste momento, eram considerados casados, mas ainda sem vida comum, pois o noivo voltava a casa paterna.
Ali permanecia aproximadamente um ano e preparava a morada para a vida conjunta. - Referências: I Co.11.25 - I Co.6.20 - I Pe.1.19 - Jo.14.2.

3° - Após esse tempo de separação numa noite desconhecida pela noiva, o noivo convidava seu padrinho e amigos e juntos se dirigiam à casa da noiva com tochas acesas nas mãos. - Referência: I Tes.4.16-17

4° - Os espectadores nas ruas percebiam e diziam uns aos outros "eis o noivo" Os gritos iam de boca em boca até alcançar a noiva em casa do seu pai. Assim ela tinha tempo de se preparar e na mesma noite ser levada pelo noivo.
Rapidamente mandava avisar suas damas de honra para vesti-la e enfeitá-la, pois o noivo vinha buscá-la.

5° - Os jovens que saiam com o noivo e chegavam a casa da noiva antes da sua preparação, não entravam, ficavam esperando na rua.
Somente quando a noiva estava pronta e deixava a casa paterna para ir ao encontro do noivo e seus amigos, coberta por um véu, os convivas reunidos iam então a luz das tochas para a casa paterna do noivo. Lá já estavam outros convidados, junto às mesas postas no salão de festas. Referência: Ef.4:8)
As amigas da noiva cantavam o ´Epitalâmico´, ou ´cântico nupcial´, à porta da noiva, à tarde antes do casamento, sendo isto um fato que lança muita luz sobre as palavras de Jesus quando disse: ´Podem acaso estar tristes os convidados para o casamento, enquanto o noivo está com eles?´ - (Mt.9.15);
Os convidados das duas partes são chamados ´filhos das bodas´.
Após uma breve saudação aos convidados, os noivos se retiravam para o aposento nupcial a ´huppah´, onde consumavam o matrimônio, tornando-se assim marido e mulher de fato e de direito. A noiva guardava o lençol manchado de sangue - Referência: Sl.19:5; Jl.2:16; - Dt.22.14-15)
Após certo tempo, o noivo voltava sozinho até os jovens, que levavam a notícia aos convidados, e aí então iniciava-se as festividades que durava sete dias. A noiva ficava no aposento nupcial, durante um período chamado de ´4 dias de ocultamento´ ou ´dias do aposento nupcial´.

6° - No final do 7° dia, o noivo conduzia sua jovem esposa, agora sem véu para fora do aposento e apresentava-a aos seus convidados.

Veste Nupcial

- Era costume as pessoas mais ricas aparecerem com ricos trajes; Se o casamento fosse entre pessoas muito ricas, cada convidado recebia um traje todo pomposo numa câmara por onde os convivas passavam e tomavam suas novas vestes entes de entrar no salão. (este costume ainda persiste com alguns povos do Oriente).

Dia do Casamento

- As virgens casavam-se costumeiramente na quarta feira à tarde, já as viúvas ordinariamente se casavam no quinto dia da semana. Esse regulamento foi estabelecido a fim de que surgindo qualquer disputa ou dúvida acerca da virgindade da noiva, o marido apresentaria o caso ao sinédrio.

- A Lei: quando uma moça se casava, ela guardava o lençol manchado com o sangue da sua virgindade como prova da sua pureza, para que havendo qualquer problema com seu esposo, quanto a sua virgindade, ela ou seus pais, tomariam estes lençóis e levariam aos anciãos da cidade para que fossem tomadas as providências - Dt.22.14-15

- Nas cidades, o sinédrio se reunia no segundo e no quinto dias de cada semana, e se um homem se casasse em um quarto dia da semana, e tivesse algum motivo para duvidar da virgindade de sua esposa, poderia apresentar o caso já no dia seguinte ao do casamento.

- Ao terceiro dia - talvez uma alusão a ressurreição.

Caná da Galiléia

- Chamada assim para distinguir da outra Caná, na Coele-Síria - Js.19.28. Tradicionalmente tem sido identificada com Kerf Kenna, distante 6 Km de Nazaré, nesta região existem amplas fontes de água e muitas figueiras que dão bastante sombra, o que é sugerido no texto;
- Outra localização mais provável é Khirbet Qana, povoado em ruínas cerca de 14 Km ao norte de Nazaré;
- Flávio Josefo, que viveu entre 37 e 103 d.C., apoia esta opinião, pois teve ali seu Quartel General no ano 66 d.C.;
- Depois da Bíblia, suas obras são a maior fonte de informações sobre os impérios da antigüidade, o povo judeu e o Império Romano.
- Esse nome deriva de Kana, que significa "Lugar de canas" - tratava-se de uma aldeia da Galiléia das terras altas, a oeste do lago da Galiléia e é mencionada por três vezes em João;
- Neste localidade Jesus curou o filho de um oficial do rei que jazia enfermo em Cafarnaum;
- Local de nascimento do apóstolo Natanael, discípulo de Jesus. (Jo.21.2)

Foram à Festa

- Jesus, Maria, João, André, Pedro, Felipe e Natanael
- 7 pessoas, eram esses os primeiros discípulos - Jo.1.35-51;
- O motivo para não se falar sobre a presença de José, pai de Jesus, e nem de seu envolvimento futuro no ministério de Jesus, prende-se ao fato de que talvez ele tivesse falecido quando da infância de Jesus;
- É bem provável que Jesus tenha chegado quase no fim da festa, se considerarmos o vinho estar escasseando;
- Jesus participava das festas comemorativas na sua comunidade, não era um asceta, ele compartia das alegrias pessoais e coletivas, isso indica que o cristão não deve sair do cenário mundial, mas participar dele, quando não afrontar a sua fé cristã;
- Especuladores dizem que o casamento era do evangelista João - (o texto não possibilita essa interpretação tendenciosa);
- Os Mormons acreditam que se tratava do casamento do próprio Jesus - (uma leitura cuidadosa do texto derruba esta tese - (uma inferência ou seja, eixegese)) (eixegese)
.

Acabado o Vinho

- Era comum o vinho acabar, tendo em vista os sete dias de festa e provavelmente um grande número de convidados;
- O vinho era servido livremente;
- vinho bom era aquele fervido e mais adocicado;
- Faltar vinho afetava a reputação e a honra do hospedeiro.

Motivos para o pedido de Maria

- Ela sabia que Jesus poderia realizar algum tipo de milagre;
- Crisóstomo e outros acreditavam que Jesus já havia operado alguns milagres no círculo familiar e que Maria, ciente desse fato, estava na expectativa de mais um milagre;
- Maria conhecia o propósito messiânico de Jesus;
- Maria tinha uma fé inabalável no poder de Jesus, tanto que dá ordens aos escravos/servos, quando disse: façam tudo que ele vos mandar.

O Tratamento dado à Maria

". . . que tenho eu contigo . . ."
- ti emoi kai soi (ti emoi kai soi) = "o que é isso para mim e para ti?
"Não tens direito de me culpar. O problema está sendo cuidado"
"que tenho eu contigo ou que tens tu comigo"
"O que há entre mim e ti?",
"Não é preciso que a senhora me diga o que eu devo fazer" e ainda
"Que queres de mim mulher".

A Palavra Mulher

- gunai (gunai) = mulher, não sem respeito - quando estava na cruz ele usou a mesma palavra que poderia ser traduzida para madame, senhora ou ainda minha senhora;
- uma forma de repreensão suave;
- os protestantes dizem que foi para combater a mariolatria e a mariologia;
- para corrigir o futuro abuso e superstição da adoração a virgem;
- É certo que não foi uma forma de desprezo, visto que este tratamento é muito comum nos escritos das tragédias gregas, quando alguém se dirigia a rainhas ou a outras mulheres distintas.

* Augusto se dirigiu assim a Cleópatra, rainha do Egito
* Jesus tratou assim Maria Madalena - Jo.20.15
* Jesus na cruz, tratou assim sua mãe, Maria - Jo.19.26.

Não é chegada minha hora

- "eu escolherei o momento apropriado" referindo-se a sua intenção de fornecer o vinho necessário.

Fazei tudo que ele vos disser

- foi a mesma frase proferida pelo Faraó, com respeito a José do Egito - Gn.41.55;
- Lembremos que José foi um tipo de Cristo.

Serventes, servos ou escravos

- Escravo em grego é douloi (douloi), mas no texto a palavra é diakonoi (diakonoi) e foi traduzida para diácono que é "alguém que serve no trabalho do evangelho", provavelmente em alguma capacidade material, conforme aplicado a Febe em Atos.

Seis Talhas

- Esses utensílios e a água serviam para as cerimônias judaicas de puruficação, para enxaguassem as mãos e possibilitar a lavagem dos utensílios usados na festa, visto ser o judeu extremamente rigoroso no que diz respeito à limpeza do corpo (cerimonial);
- As talhas eram feitas de pedra por que se cria que a pedra preservava a pureza e a frieza da água e por estar menos sujeita a impurezas. A pedra era prescrita pelas autoridades judaicas para as lavagens antes e depois das refeições;
- A água na região da Palestina era bastante escassa, daí o motivo de tantas talhas e também por ser um casamento com muitos convidados, havia a necessidade de uma reserva.
- As purificações - ver mais.

O Número Seis

- superstição quanto ao número:
- é número de trabalho, do enfado, da necessidade e da imperfeição;
- que seis dias antes da Páscoa Jesus chegou em Betânia, iniciando sua penosa via dolorosa;
- é o número do anti-cristo, da discórdia e da maldade;
- o dia da criação da mulher;
- o livro de cabala judeu Sohar - adverte conta o tríplice seis como número da punição;

Metretas

- Unidade de medida - eqüivalia a cerca de 38 litros, ou seja, havia disponível de 600 a 900 litros de água, segundo alguns comentadores.

Enchei as talhas

- As talhas estavam quase vazias, a água havia sido usada para as abluções.

O Milagre

- Quando Jesus disse para que tirassem a água e a servissem usou a palavra antlev (antlen) = tirar, tirar para fora. Freqüentemente usado para tirar água de um poço, mas aqui, de uma talha d'água;
- Não se sabe quando o milagre ocorreu, se quando a água estava ainda dentro das talhas ou no percurso até a taça do convidado ou então na própria taça, sabe-se porém que houve um milagre sobrenatural operado ali;
- por esse primeiro milagre, foi despertada a fé dos seus discípulos e dos outros, muito embora já tivessem crido nele - Jo.2.12;
- O milagre foi de forma sobrenatural, embora muitos digam que Jesus trouxe o vinho de outro lugar e que a os servos foram buscar;
- shmeion (semeion) = sinal, um ato ou milagre que visa levar à crença em Jesus como o Messias, o filho de Deus.

Fazendo nossa parte

- Os servos fizeram sua parte no negócio, ou seja, fizeram o que lhes era possível, não tiveram que realizar pessoalmente o milagre, ficou a cargo de Jesus, a transformação.

O Mestre Sala

- arko (arko) = ser chefe, dirigir, - era costumeiro entre os gregos entregar a uma pessoa particular, o arranjo da mesa, bem como de todos os outros serviços, tais como o de provar o vinho, o da distribuição do vinho, o da preparação das lâmpadas, etc. - Cristo agiu como o grande mestre-sala, que cuidou das tarefas mais difíceis vinculadas ao seu ofício messiânico que é a salvação da humanidade - O vinho tornou-se abundante e isso reflete a provisão que nos é dada por Cristo.

Vinho melhor

- o motivo para se oferecer um vinho de melhor qualidade, se dava pelo fato de que no final da festa, os convidados já não poderiam criticar a qualidade, tendo em vista estarem (bêbados).
- mequsqvsin (metustosin) = ficar bêbado, embriagar-se (essa palavra não subentende que os hóspedes já estivessem bêbados);
- O uso metafórico desse vocábulo se tornou comum como gíria, indicando um homem embriagado, como se estivesse encharcado ou molhado.

3 comentários:

  1. "2° - Tão logo o noivo pagasse o dote, o
    casamento estava juridicamente selado, ...
    A partir deste momento, eram considerados
    casados, mas ainda sem vida comum, pois o
    noivo voltava a casa paterna. Ali permanecia
    aproximadamente um ano ... Referências: I
    Co.11.25 - I Co.6.20 - I Pe.1.19 - Jo.14.2."

    Prezado Pastor, poderia citar referencias
    bibliograficas fora da Biblia que indiquem que
    os casados permaneciam um ano sem vida comum?
    agradeco antecipadamente, Otavio

    ResponderExcluir
  2. muito bom, gostaria de saber se os casamentos eram coletivos por se tratarem de dez virgens?

    ResponderExcluir
  3. Que fantástico! Chorei senti a preesença de Deus lendo essa matéria.Parabéns mesmo pastor A.Rocha.

    ResponderExcluir